Ontem a noite fui questionado sobre a falta de textos a qui no blog. Fui impulsionado, sacudido a voltar a escrever.

A ausência não foi por falta de tempo, muito menos por falta de imaginação como muitos alegariam. Faltou mesmo foi compromisso, sobretudo comigo mesmo e com meu estatuto universal de sempre dar vida a um texto sempre que ele surgir no mundo da imaginação. Não cometerei novamente essa covardia.

Lembrei agora de Arquimedes com sua Lei da Alavanca quando citou “dê-me um ponto de apoio e eu moverei o mundo“. Não sei porque, mas gosto de misturar conhecimento matemático e física com essas viagens do mundo das ideias. Meu ponto de apoio são meus textos. Conquistarei o mundo?

Inspiração já tenho a todo momento, só que daqui pra frente creio que terei ainda mais e explico o porque.

Estou observando melhor minha terra, acreditando mais nos sonhos dessa gente. Tenho observado o Demerval Moreno montar uma revolução em prol do Carajás apenas twitando do seu celular. O Anderson Souza continua me inspirando com sua garra de sair por aí registrando o mundo com sua máquina fotográfica. É tão sério que ele não consegue mais se desvencilhar disso. Eugênio Morales têm sido seu tutor nessa arte de questionar a realidade com a fotografia contemporânea. Elivelton, Wenderson Costa e Charlles Mendes registram os passos e as notícias que são geradas somente aqui.

Os sonhos e as atitudes dessas pessoas são de inspirar qualquer um.

Volto aqui pela necessidade e o prazer de escrever. Por me sentir bem fazendo isso. Por dar vida as ideias, sem deixar que elas morram sem serem propagadas.

Assim que puder, irei a biblioteca ler alguma coisa de Thiago de Melo, o poeta amazonense. Que tal Os estatutos do Homem?